sábado, 3 de maio de 2008

Nostalgia















A noite cai lentamente e nela a nostalgia.

Acaricia a saudade...

Na gaveta, velhas lembranças, um diário, chave perdida, folhas amarelecidas pelo tempo. Olhares de Cinderela. Um trevo, a primeira rosa, os versos não enviados. Páginas desfolhadas uma a uma, reflexo de segredos. Os anos passaram, os receios sobreviveram aos temporais. Sonhador, impulsiva comunhão de um sentir. Olhos fechados... corpo cansado, sofrido e chorado...o som do vinil... passos arrastados... sonhos verdes...pedaços de vida. Rosa ressequida sangrando de mãos ausentes.


singularidade

4 comentários:

Parapeito disse...

Bem dorido este "Nostalgia.

Um grito bem fundo da alma.

Beijinho de sol para as tuas mãos**

Fernando Rodrigues disse...

Um blog lindissimo
parabéns

Miguel Augusto disse...

Diz o poema popular que a saudade é a nostalgia repartida entre o que vai e o que fica! Muito bonito!

mari disse...

Que coisa mais linda..... é a interpretação mais linda de tudo isso que acontece com a gente ...... parabéns, blog lindo, maravilhosos poemas........... AMEI !
Já está nos meus favoritos....
Abraços do Brasil!