sábado, 23 de maio de 2009

Pérola negra



A Lua tece
fios de prata
entre
o ocre avermelhado
das montanhas
no vale Draa.
No silêncio
um manto verde
a exalar vida
sem procurar razões
enfeita a natureza
de memórias
e sonhos
repetidos até exaustação.
Pérola negra
mimosa
à deriva
no leito
sequioso
carrega mãos e pés
esturricados pelo sol
na boca
a gosma amarga do nada!
Sem um tremor na voz
eleva-se até ao âmago das estrelas.


singularidade

5 comentários:

Bruno Lopes disse...

Muito bonito mesmo. Palavras saidas de uma boa pessoa e de cheias de sentimentos.

Bjs Amorvosso

Ana disse...

É uma "pérola" este teu poema, repleto de profundos sentimentos, onde a beleza da natureza cintila.
Obrigada querida Isa por este belo momento.
Um beijinho muito doce,
Ana Paula

Parapeito disse...

:) Uma bela homenagem á mulher marroquina...Só tu Ternura para aproveitares a tua passagem por esse sitio...e escreveres o sofrimento que brota á tua volta...
*
Um abraço apertado***

Chris disse...

Gostei de ler estas palavras, pois há sempre palavras que ficam e outras que passam. Estas são as que permanecem...
Cumpts,
Cristina Fernandes

ZezinhoMota disse...

Amiga, continuas como sempre...A baralhar e a dar as palavras...E assim as colocas no sitio certo...Ficando para a posteridade mais um lindo poema da Isa que conheço...Como é gratificante chegar aqui e não me defraudares no que acabo de ler.

Continua e fica bem.

Bjnhs do sempre amigo

ZezinhoMota