sábado, 21 de dezembro de 2013

Tempo de magia


Era uma vez um reino encantado, cheio de frondosas florestas onde viviam seres mágicos. Gnomos, duendes, fadas, elfos e outros seres encantados, viviam todos em paz e harmonia. Eram todos filhos da mãe natureza, Gaia.
 Entre os ramos de uma árvore, estava um Elfo de luz, tinha as mãos e os pés muito grandes em comparação com o corpo. Os olhos eram verdes e o cabelo quase branco, nariz e orelhas pontiagudas, boca larga e lábios sensuais que cantavam uma doce canção, depois de ter participado de um grande banquete.
Quando a canção terminou, deu vários bocejos e adormeceu pendurado na árvore.
De repente, nos seus sonhos, voou.
Tinha havido um grande temporal e ele tinha sido arrastado por um furacão. Tinha caído num lugar muito estranho, num jardim de uma casa.
Parecia uma casa abandonada, mas todas as janelas e portas estavam fechadas. Entrou por uma das janelas, para ele era fácil entrar em qualquer lado, punha em prática a sua magia.
A casa estava escura, os móveis nunca deveriam ter mudado de lugar nem os objetos que enfeitavam a casa.
Numa cadeira estava uma mulher sentada, quieta, com o olhar perdido no passado.
O Elfo olhou para aquele triste cenário e teve uma brilhante ideia, chamou os seus amigos e gnomos, duendes, fadas e outros elfos invadiram a casa.
Todos unidos puseram mãos à obra.
Apanharam lenha para fazer uma fogueira. Acenderam a fogueira, enfeitaram a casa com uma decoração diferente, até o canto mais escondido da casa ficou cheio de enfeites.
 Juntos tornaram aquela casa alegre.
Acenderam a luz e foram-se embora devagarinho.
A mulher, passado algum tempo, levantou-se e sorriu ao ver o elfo.
Abraçou-o muito e agradeceu, espantada, olhando em redor.
Finalmente, a sua casa tinha sido vestida de luz, alegria e esperança. 
Era tempo de magia.



 



12 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Mais um excelente conto.
Diria mágico, dada a narrativa que usas, que é fantástica.
Isa, minha querida amiga, desejo-te um FELIZ NATAL e um PRÓSPERO ANO NOVO. BOAS FESTAS para ti e para a tua família.
Beijo.

ZezinhoMota disse...

Escreves muito bem e não sei como ainda não te aventuraste na publicação...

Quem sabe um dia!

Minha amiga que o Natal seja PARA TI UMA FESTA FAMILIAR CAPAZ DE TE FAZER MUITO FELIZ...

Bjnhs do ZezinhoMota

Nilson Barcelli disse...

Isa, minha querida amiga, espero que o teu Natal tenha sido bom.
Desejo-te um FELIZ ANO NOVO.
Beijo.

Jota Effe Esse disse...

E quando é tempo de magia só temos coisas e cores belas. Meu beijo.

Nilson Barcelli disse...

Vim ver as novidades...
Isa, minha querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Nilson Barcelli disse...

Isa, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Evanir disse...

UM FINAL DE SEMANA
NA PAZ E NA LUZ DE JESUS.
VAMOS LUTAR POR UM MUNDO
MELHOR NEM QUE SEJA EU E VOCÊ.
QUERO QUE SAIBA VOCÊ FOI
E É IMPORTANTE DEMAIS PARA MIM.
CARINHOSAMENTE ,EVANIR.
FOI UM PRAZER ENORME CONHECER SEU BLOG.
CASO ME PERMITIR BUSCAREI SEU LINK.

MARILENE disse...

Todo o tempo pode ser mágico quando não ficamos a dormir, sem apreciar a vida. Bjs.

Vera Lúcia disse...


Olá Isa,

Grata por sua visita ao meu recanto.
Adorei o conto. Muito bem escrito e criativo, além de reflexivo.
Quem dera esse mundo de magia existisse e esses seres mágicos pudessem distribuir luz, alegria e esperança para tantas vidas humanas.
Quem se perde no passado deixa de viver o melhor do presente.

Beijo.

MARILENE disse...

Gosto quando publica no blog porque não lido bem com o google (rss). Bjs.

Vera Lúcia disse...


Olá Isa,

Eu já havia lido esta postagem e tive a impressão de que havia comentado por aqui. Pode ser que o meu comentário se perdeu.
Gostei muito do conto e da mensagem que ele trouxe. Tudo o que mais desejamos é esta mágica em nossas vidas, ou seja, a de transformar
nossa casa interior de modo que ela seja 'vestida de luz, alegria e esperança'. Quando olhamos somente para o passado deixamos de viver as maravilhas que o presente nos oferece.

Beijo.

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

aprecio a inocência e senso mágico apresentado neste texto...Gaia merece e agradece!