quinta-feira, 17 de julho de 2008

Será de ti?
















Tenho saudades não sei de quem,
será de ti?
não sei ao certo se é de ti,
se da tua presença ou da tua ausencia...
Será das tuas palavras,
que me deram alento para abrir novas janelas
na ilusão deixei entrar uma brisa,
que refrescou os meus anseios
e deixou em mim plasmada,
uma tela de reflexos e emoções,
que me fez renascer sentimentos adormecidos.
Desenhando coisas minhas,
surge no astro um mar de gaivotas,
batendo as asas numa melodia de sons...
olho o céu azul antevejo bom tempo,
saio, sem fechar a porta,
sem destino voo pelo horizonte,
neste doce embalo de leveza e tranquilidade
até alcançar as estrelas.


singularidade

10 comentários:

Parapeito disse...

Olha eu a ser optimista :)) Claro que é de mim que tem saudades!
Bonito este teu poema...A tua praia ...faz te bem...o mar lava-te a alma...e tu solta ,qual gaivota voas feliz...Continua assim amiga...que as estrelas não estão assim tão longe :)
um Xi-mar para ti ***

maresia_mar disse...

Olá
mesmo de fugida, só a deixar um beijo com muito carinho.
Bom fds

FB disse...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

mariz disse...

Salvé!
Na singularidade do eu..
na multiokicidade do nós...
numa união mais-que-perfeita...
com a Luz Maior

Abraço
MAriz

ESPAVO! - reconhecendo a Luz que há em si

brisa de palavras disse...

As vezes tb sinto saudades e nem sei de quem...ou de que...mas sao saudades o que sinto isso são.
um abraço
brisa de palavras

Bill Stein Husenbar disse...

Que doces saudades... Saudades de outrora e do que já passou.

Parabéns.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Miguel Augusto disse...

Um bonito poema! E é bom quando temos e sentimos saudades!

Perla disse...

As saudades por vezes abrem portas que de outro modo estariam trancadas!

maresia_mar disse...

deixo-te um beijo carregado de carinho

RESSACA disse...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...